Faça o seu PEDIDO DE MÚSICA

Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Tocando Agora:

Publicidade Publicidade

Título módulo livre Título módulo livre


Publicidade Publicidade

Notícias Notícias

Ultimas Notícias
Banqueiros assinam manifesto porque perderam R$ 40 bi com Pix, diz ministro
27/07/2022 09:37
Na segunda (25), os banqueiros Roberto Setubal e Pedro Moreira Salles, copresidentes do conselho de administração do ...
Notícias do Brasil e do Mundo
Beneficiários com NIS final 8 recebem hoje Auxílio Brasil
27/07/2022 09:33
...
Famosos
Dificuldade de acesso a insumos afeta 22 entre 25 setores da indústria Para CNI, lockdowns na China e guerra na Ucrânia agravam problema
27/07/2022 09:30
A guerra na Ucrânia e os ...
Ultimas Notícias
Petrobras publica edital de assembleia geral para eleger conselheiros
19/07/2022 18:13
...

Publicidade Publicidade

Título módulo livre Título módulo livre

Publicidade Publicidade

Título módulo livre Título módulo livre

Publicidade Publicidade

Título módulo livre Título módulo livre

Publicidade Publicidade

Publicidade Publicidade

Redes Sociais Redes Sociais

FacebookWhatsAppYouTubeTwitterTikTokTelegramTelegram

Estatística Estatística

Visitantes: 529376
Usuários online:

Publicidade Publicidade

Publicidade Publicidade

Título módulo livre Título módulo livre

Anuncie com a gente

Título módulo livre Título módulo livre

Título módulo livre Título módulo livre

Carrapato-estrela: saiba tudo sobre esse parasita tão perigoso Carrapato-estrela: saiba tudo sobre esse parasita tão perigoso

Há muitos tipos de carrapatos, mas um deles é, especialmente, temido pelas pessoas. Trata-se do Amblyomma cajennense, popularmente conhecido como carrapato-estrela.

Muito desse medo se deve ao fato de que o carrapato-estrela é, no Brasil, um dos transmissores da Rickettsia rickettsii. A bactéria causa a febre maculosa, considerada a principal zoonose transmitida por carrapatos no país.

Quer entender melhor a doença transmitida pelo carrapato-estrela? A seguir, você acompanha informações importantes sobre o problema e essa espécie de carrapato.

Cachorro filhote marrom

Carrapato-estrela: conhecendo melhor a espécie

Os carrapatos são aracnídeos ectoparasitas subdivididos em mais de 800 espécies hematófagas — que dependem de sangue de outros seres para sobreviver. O hábito alimentar deles, portanto, é muito perigoso, já que pode transmitir vírus, bactérias e protozoários.

Vale ressaltar que as espécies de carrapato mais comuns variam de região para região. O mesmo vale para os hospedeiros. Não a toa é possível encontrar o carrapato-estrela em cachorros, gatos, cavalos, bois e capivaras, que são hospedeiros mais comuns.

Mas é nesse ponto que surgem muitas perguntas: como é que o carrapato muda de hospedeiro ao longo da vida? Ele salta de um para o outro? Uma pessoa precisa encostar em uma capivara ou cavalo para que o carrapato passe para ela? As respostas estão no ciclo de vida do aracnídeo!

Ciclo de vida do carrapato-estrela

A. cajennense é um trioxeno, o que significa que ele precisa de três hospedeiros para completar o ciclo de vida de ovo a adulto. E é nesse hospedeiro que a espécie acasala.

A fêmea, então, se alimenta do sangue do hospedeiro por dez dias, até ficar do tamanho de uma jabuticaba. Esse tempo é necessário porque ela precisa das proteínas das células do sangue do animal para formar os ovos antes de se desprender da pele.

No chão, a fêmea coloca até oito mil ovos ao longo de 25 dias, e morre quando termina essa postura. A depender da temperatura, os ovos eclodem após um mês. Nos períodos mais frios, isso pode levar até 80 dias.

Dos ovos saem as larvas hematófagas. Esses tipos de carrapato-estrela, são também conhecidos como micuins. A partir daí, elas ficam à espera de um hospedeiro — eles podem ficar sem comer por seis meses, até que alguém apareça!

Ao conseguirem um hospedeiro, as larvas passam a sugar o sangue por cerca de cinco dias. Alimentadas, elas voltam para o chão, onde ficam mais um mês até virarem ninfas, e repetem a caçada ao hospedeiro aleatório — o que pode levar até um ano.

Quando encontram a vítima, sugam o sangue dela por outros cinco dias e voltam para o chão, onde demoram mais um mês para virarem adultas. Nessa fase, eles ficam por dois anos sem se alimentar até achar o próximo hospedeiro, acasalar e reiniciar o ciclo.

Em média, o A. cajennense completa um ciclo de vida por ano. As fases se dividem bem ao longo dos meses e as larvas são mais comuns na pastagem de abril a julho, já as ninfas, de julho a outubro, enquanto os adultos, de outubro a março.

Cachorro deitado no sofá

Como a febre maculosa entra nessa história

O carrapato ingere a bactéria Rickettsia rickettsii ao se alimentar do sangue de um equino ou de uma capivara contaminados.

Portanto, uma vez que ingeriu a bactéria, ele consegue passá-la de um estágio para outro, enquanto vai crescendo — trata-se da transmissão transestadial. Além disso, a fêmea também passa o microorganismo para a próxima geração de carrapatos — transmissão transovariana.

Vale ressaltar que a maior parte dos casos da doença do carrapato-estrela acontece no Sudeste do país. Entretanto, o Amblyomma cajennense está em quase todos os estados!

Sintomas da doença do carrapato-estrela

A doença do carrapato-estrela em cachorros tem sintomas muito semelhantes aos da erliquiose, que é mais comum na espécie. Provavelmente por isso, a febre maculosa é muitas vezes confundida com a erliquiose e acaba sendo pouco diagnosticada.

No entanto, em humanos, a enfermidade caracteriza-se por febre e máculas (manchas) vermelhas no corpo. Além disso, há sinais de fraqueza, dor de cabeça, muscular e nas articulações, tudo de início súbito. Se não for tratada, a doença pode levar à morte rapidamente.

Esse é o maior desafio para os médicos: detectar a doença rapidamente porque os sintomas iniciais são inespecíficos. As manchas pelo corpo, por exemplo, às vezes, não aparecem ou surgem muito tardiamente em alguns pacientes.

Se diagnosticada rapidamente e tratada com antibiótico nos três dias iniciais de manifestações clínicas, a doença do carrapato-estrela tem cura.

Mas depois que a bactéria se espalha pelas células que formam os vasos sanguíneos, o caso pode se tornar irreversível. Ainda hoje, de cada dez pessoas que contraem febre maculosa, duas a quatro morrem por causa da doença.

carrapato-estrela

Prevenção da doença transmitida pelo carrapato-estrela

Se for o dono da área, aplique carrapaticidas, semanalmente, nos animais e na vegetação, sob orientação de um médico-veterinário. Assim, você evita a proliferação e a picada de carrapato-estrela.

Para quem estiver em local que há equinos ou capivaras, existem alguns cuidados:

  • Examine seu corpo a cada três horas em busca do carrapato;
  • Ande sempre em trilhas, pois não são um bom esconderijo para os carrapatos;
  • Use roupas claras, que facilitam a localização do parasita;
  • Coloque as barras das calças dentro das meias e use botas de cano alto;
  • Se achar o micuim no seu corpo, retire-o usando uma fita adesiva;
  • Se for maior, torça o carrapato com uma pinça até ele se soltar, para não ter o risco de o aparelho bucal ficar na sua pele, com a bactéria da febre maculosa;
  • Queime os carrapatos encontrados — não os estoure, porque a bactéria pode penetrar por pequenos ferimentos que você tenha nas mãos,
  • Ferva as roupas quando chegar em casa.

Se, mesmo assim, notar algum sintoma da doença de carrapato-estrela, procure atendimento médico.

No caso de tutores de cachorro, é sempre importante verificar a existência de carrapatos pelo corpo do animal. Uma boa solução é usar antiparasitários apropriados, além de consultar o veterinário.

Para os checkups de rotina, basta levar seu melhor amigo ao Centro Veterinário Seres. Procure a unidade mais próxima!